BEM VINDO AO BLOG!

A cidade é a maior ilusão!

É a mais amarga, porque o homem pensa ter na cidade a base de toda a sua grandeza e só nela tem a fonte de toda a sua miséria. Mas, o que a cidade mais deteriora no homem é a inteligência, porque ou a arregimenta dentro da banalidade ou a empurra para a extravagância.

O homem que a respira, nela envolto, só pensa todos os pensamentos já pensados, só exprime todas as expressões já exprimidas.

Eça de Queiroz in A cidade e as serras.

sábado, 3 de agosto de 2013

Discurso a ser lembrado


Discurso do Dr Ney Cavalcanti

Patrono da turma de formandos da
Faculdade de Ciências Médicas – UPE


O Brasil vive um novo momento.

Milhares de brasileiros estão indo as ruas, para dar um grito de protesto. Protesto  contra a corrupção e a injustiça com que milhões de brasileiros são tratados pelo governo, e pelas nossas elites.

A maneira com que os poderosos tratam as outros chega ser quase que cruel.

E às vezes a crueldade é explícita, mendigos são incendiados por jovens pertencentes às classes mais ricas.

Os pobres são considerados quase que uma sub espécie, que teriam como principal finalidade de servir aos poderosos.

Este tipo de sentimento, provavelmente, é resquício do período da escravatura.

Afinal, foi o Brasil um dos países do mundo, que mais tempo conviveu com este abominável sistema social.

Recentemente, um desses exemplos vem acontecendo.

As domésticas  convivem secularmente com regime de semi-escravidão. Salários baixos, horários de trabalho na dependência da vontade dos patrões e nenhum direito trabalhista. Em compensação, os seus lugares de descanso são os menores e os mais quentes das casas.

Bastou que se levantasse a possibilidade de lhes conceder alguns benefícios legais, que todos os trabalhadores têm, para que os gritos de muitos patrões se fizessem ouvir.

Os argumentos aventados são semelhantes aos que, provavelmente existiram por ocasião da abolição da escravatura.

Muito acertadamente, o governo brasileiro implantou o programa social, a Bolsa Família, que diminui, apenas diminui, as enormes carências que ainda existem na nossa pobreza.

Muitos milhões de brasileiros passaram a ter menos fome.
As próximas refeições deixaram de ser incógnitas.

Milhões tiveram o prazer de  pela primeira vez, ter água gelada e televisão em casa.

O dinheiro da Bolsa fez gerar novos negócios nos municípios mais pobres, que por sua vez geraram arrecadação de impostos. Resultado,  os custos do programa ficaram menores.

Todos esses benefícios foram realizados a um custo relativamente pequeno. Menos de 0.5% do nosso PIB. Isso deveria ser motivo de muita satisfação para toda sociedade brasileira, mas assim não tem sido.

Afinal está se fazendo, como quase nunca se fez,  uma ação que concretamente beneficia aos mais pobres.

Infelizmente esse reconhecimento não tem acontecido por parte da classe dominante. Ela critica, e de maneira veemente o programa.

Os argumentos são vários:

Está se estimulando aos seus beneficiários a não trabalharem por terem um rendimento mensal, pequeno é verdade, garantido.

Existem em alguns dos nossos municípios, dificuldade de se conseguir mão de obra para determinado tipos de trabalhos.

Meias verdades.

Antes da bolsa família a maioria dos que não trabalhava, era por falta de oportunidade.

Por conta de um numero menor de locais de trabalho, do que mãos de obra disponível, os poucos que conseguiam trabalhar, aceitavam qualquer remuneração. Em virtude de suas necessidades pessoais e familiares, exerciam as suas tarefas por salários  vergonhosamente  baixos.

Sem duvida, ficou mais difícil ter trabalhadores com este tipo de pagamento.

Outro argumento contra Bolsa Família, é que o dinheiro seria melhor gasto se investido em educação
.
Ora, educar um povo  é uma tarefa que consome décadas.

E as necessidades dos nossos pobres, são agora. Precisamos  alimentá-los para depois os educar.

Uma  outra crítica é pela existência de irregularidades no programa.

Alguns recebem a Bolsa e que não deveriam, usando práticas não recomendáveis.

Obviamente as irregularidades existem, devem ser investigadas, e   corrigidas.

No entanto eu pergunto, com que autoridade nossa elite pode denunciar. Afinal ela é considerada uma das mais sonegadoras e corruptoras do mundo.

Uma   outra  injustiça que o governo faz com os mais pobres, é  na educação.

Os gastos com as nossas Universidades são proporcionalmente muito maiores, dos que os destinados ao ensino fundamental e médio.

Afinal, a classe dominante frequenta apenas o ensino universitário.

O fundamental  e o médio oferecido pelo Governo, é apenas para os menos ricos.

Na saúde ocorre condição semelhante.

O Brasil acertadamente adotou um sistema universal de assistência, o SUS. Todos os  brasileiros tem o direito de usá-lo.

Porem os recursos a ele destinado são  muito insuficientes. O Brasil é um dos países do mundo, que destina o menor percentual do seu PIB para saúde .

O motivo é simples.

As classes dominantes não reivindicam de maneira adequada, para que o governo destine mais recursos para esse setor. Afinal elas não usam o SUS.

Sua assistência medica, muito melhor, é feita através do sistema privado, os  planos de saúde.

Essas injustiças se repetem praticamente em todos os setores da vida brasileira.

Ao invés de investir em transporte coletivo, o governo estimula de todas as maneiras, o  individual. Para isso, tem sido capaz, inclusive, de reduzir os impostos para facilitar a aquisição de automóveis.

Mesmo que isto implique em uma diminuição arrecadação, que poderia ser utilizada em destinações mais nobres.

A maioria da nossa classe política não nos merece  admiração. Quase sempre legisla em beneficio dos mais ricos, inclusive e principalmente dos seus próprios.

Os nossos deputados, apesar de serem os mais bem mais remunerados do mundo, trabalham muito pouco. E os que pretendem realizar os seus mandatos de maneira ética são atropelados pelos corruptos.

A corrupção é quase que a regra.

A nossa justiça é muito lenta, e com frequência sofre a pressão e cede o poder econômico.  Os chamados  crimes do colarinho branco quase sempre não são punidos.

Combate a corrupção, mais recursos para a saúde e educação, transportes de melhor qualidade com tarifa zero, foram algumas principais reivindicações do grito de protesto.

A classe política respondeu imediatamente. Propôs um  plebiscito, cujas perguntas beiram o ridículo.

E  mostrou que a tarifa zero já existe, pelo menos para eles, a tarifa aérea zero.

Verdadeiras agressões à sociedade brasileira.
  
Meus caros pais e mães dos formandos. A inteligência e a capacidade de luta dos seus filhos, os  levaram a concluir um curso universitário, dos mais cobiçados e difíceis. A eles devemos as nossas homenagens.

Porem, isto nunca teria acontecido não tivessem eles a retaguarda que vocês os proporcionaram. É impossível mensurar as horas de trabalho dedicação e até sofrimento que lhes foram  exigidas. Meus efusivos parabéns.

Meus caros formandos, congratulações pela vitoria. A conclusão do curso médico é o primeiro degrau da nossa profissão.

Exercer atividade médica requer que sejamos sempre estudantes.

A nossa missão como medico no Brasil exige que além de bons profissionais, sejamos também seres sociais ativos. O Brasil exige modificações que atenuem as injustiças que são cometidas, contra milhões dos nossos irmãos.

Muito sucesso nas suas missões.

Por último o meu muitíssimo obrigado, pela honra que me prestaram me distinguindo como homenageado.

Apesar de eu ter tido experiências semelhantes anteriores, essa é  especial.

Vocês escolheram como patrono, um ex-professor.

Fui expulso da nossa faculdade por mau comportamento.

Fiz 70 anos, e não tinha nada que fazê-los.


Nenhum comentário:

Postar um comentário