BEM VINDO AO BLOG!

"Para que levar a vida tão a sério se ela é uma incansável batalha da qual jamais sairemos vivos?"
Bob Marley

domingo, 12 de março de 2017

Homicídio Qualificado




TORPEZA


Moura Teles (Direito Penal v. II 2ª Ed. p. 21. Ed Atlas) apresenta interessante posição quanto ao mandante e o executor com referência ao Art 121 § 2º I:

“Quem pretendendo a morte de outrem, procura esconder-se atrás da ação do executor, buscando impunidade e segurança, é tão vil quanto o que friamente executa a morte de alguém sem qualquer outra motivação pessoal, senão a da obtenção do recebimento do valor ou da vantagem ajustada. Aquele é o covarde que confia na possibilidade de, não executando o procedimento típico, jamais ser alcançado pelo aparelho estatal repressor. 

A busca da impunidade ou da segurança, longe de beneficiá-lo, á, a meu ver, razão para maior censura penal. Se tivesse um motivo de relevante valor moral e executasse ele próprio o homicídio, aí sim mereceria a diminuição da pena, na forma do § 1º do art.121, não incorrendo na majoração decorrente de qualificadora. Se, mesmo tendo uma motivação relevante do ponto de vista moral ou social, prefere pagar a outrem para que mate alguém, não pode merecer censura menor do que aquele que não teve medo, nem buscou segurança ou impunidade. Pensar o contrário é homenagear a covardia, e isso não é compatível com o Direito.

A descrição típica do I do § 2º do art. 121 não deve ser lida apenas em relação ao executor, mas também, ao mandante, independentemente de se considerá-la, ou não, circunstância elementar do tipo de homicídio. 

É que, ao descrevê-la como “mediante paga ou promessa de recompensa”, a norma buscou alcançar a totalidade de um contrato bilateral que, por sua própria natureza jurídica, envolve direitos e obrigações para ambas as partes, e não apenas uma motivação pessoal exclusiva do contratado. O escopo da norma não é, simplesmente o de reprovar mais severamente o fim de lucro que moveu o executor, mas também e antes, a conduta de ambos, executor e mandante: celebrarem um pacto cujo objeto é a destruição do bem jurídico mais importante. Um porque encomendou a morte de um homem, o outro porque aceitou a encomenda. Ambos, igualmente, tiveram motivação torpe, abjeta, repugnante. O primeiro porque, dispondo de dinheiro, sentiu-se à vontade para buscar alcançar a destruição de uma vida humana, por mãos alheias. O outro porque, simplesmente por dinheiro, não teve qualquer condescendência com a existência de semelhante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário