BEM VINDO AO BLOG!

A que distância você se encontra entre o que pensa, diz e age?

Sigmund Freud

domingo, 12 de março de 2017



Acusado de matar adolescente por ciúme é condenado


Pena de 15 anos, 9 meses e dez dias de detenção em regime fechado


Pouco mais de 4 meses após o crime ocorrido na comunidade de Papagaios, Baixo Madeira, F.L.A., preso acusado de matar a adolescente E.L.F., de apenas 16 anos, foi julgado no 2º Tribunal do Juri da Comarca de Porto Velho. Recebeu pena de 15 anos, 9 meses e dez dias de detenção em regime fechado.

O réu foi condenado pelos três crimes pelos quais foi pronunciado: homicídio qualificado, ameaça e lesão corporal leve. Isso porque no dia 10 de novembro de 2012, ele foi até a casa da ex-namorada para tentar reatar o namoro. Disse à família que ia apenas conversar com a adolescente, porém ao demonstrar suas reais intenções, os familiares na tentativa de impedir, foram ameaçados. Efetuou, então, vários golpes de terçado e um pedaço de ferro levando-a a óbito por anemia profunda e traumatismo cranioencefálico. F. ainda feriu pai e o primo de E., que tentaram defender a vítima.

No processo consta que o crime foi praticado mediante vários recursos que dificultaram a defesa da vítima. Depois do primeiro ataque o denunciado retornou ao local com uma peça de motor de barco nas mãos e deu mais golpes na região craniana da vítima, fazendo isso quando ela já se encontrava caída ao solo ferida, quando não podia apresentar nenhum um tipo de resistência.

Consta ainda nos autos que F., apesar de afável com várias pessoas, demonstrou ser um namorado ciumento, possessivo, opressor e violento, por isso E. rompeu o relacionamento. Porém o réu não aceitou a recusa e teria dito que se ela não o quisesse, não seria de mais ninguém.

Os jurados reconheceram a materialidade e a autoria do delito, bem como as qualificadoras e recusaram a tese da defesa de homicídio privilegiado, ou seja, que o crime teria sido praticado por forte emoção da vítima, ao descobrir que a ex-namorada já teria outro relacionamento.


http://jornal.jurid.com.br/          Fonte; TJRO

Nenhum comentário:

Postar um comentário